Distanciamento será a receita para o fim de ano, dizem especialistas

Infectologistas apontam que ideal é fazer reuniões apenas entre pessoas que já moram junto, pois pandemia ainda não acabou e números podem aumentar após datas festivas

  • Por Jovem Pan
  • 05/12/2020 09h29
MÁRCIO PANNUNZIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO - 04/12/2020Isolamento é sugerido por especialistas

A jornalista Leda Orsi, que tem o costume de juntar parentes em um sítio anualmente para comemorar o Natal, vai passar as festividades apenas com o marido em 2020. Diante do aumento do número de casos do novo coronavírus, ela tomou a decisão pensando no coletivo. “A gente tem que fazer não só por a gente, mas pelos outros também, então não é o cuidado apenas com a gente, mas é o cuidado com todo mundo, com todas as pessoas, sejam elas da família ou não”, afirmou. Preocupados com as festas de fim de ano, os especialistas têm mantido o aconselhamento de que a população mantenha o distanciamento social.

Para o infectologista Jamal Suleiman, as reuniões só devem ser feitas entre pessoas que moram juntas. “Se você já convive com a pessoa todos os dias, você minimiza o risco, mas não acaba com o risco. Se você não convive, você aumenta esse risco de forma exponencial”, afirma. Para ele, o Ano Novo é um período ainda mais arriscado para a propagação do vírus. “Costuma ser uma festa de intensa aglomeração, não necessariamente familiar. Costuma ser uma festa onde você encontra amigos e incorpora um contingente inclusive maior de pessoas”, lembra. Para tentar aproximar as pessoas durante o período de isolamento, o músico Alfredo Boer e a nutricionista Maíra Vieira criaram o projeto Correio Musical.

Com demandas intensas no período do Dia das Mães, a dupla acredita que as condições atuais farão a demanda, que tinha arrefecido após a data comemorativa das mães, voltar à ativa. “Com a chegada do Natal e essa coisa de a gente saber que houve um retrocesso agora, a gente tem uma boa expectativa de que vá ter muito correio musical de novo”, afirmou Alfredo.Nesta semana, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chegou a afirmar que medidas legais podem ser aplicadas em caso de aglomeração em festas de fim de ano. O estado, que registrou 42,7 mil mortes e 1,27 milhão de casos de Covid-19 desde o começo da pandemia, voltou à fase amarela do “Plano SP”.

*Com informações da repórter Nicole Fusco