Eleições do parlamento europeu confirmam desgaste da política

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 27/05/2019 08h50
EFENo final, o eleitor europeu buscou alternativas em diversas pontas do espectro político e mandou recados claros para seus governantes.

As eleições para o parlamento europeu confirmaram o que já estava claro: a política tradicional está desgastada e já não convence mais a maioria.

Partidos de centro-direita e centro-esquerda sofreram derrotas pesadas ao redor do continente.

Mas o populismo nacionalista não chegou a cravar vitórias tão impactantes como alguns antecipavam.

No final, o eleitor europeu buscou alternativas em diversas pontas do espectro político e mandou recados claros para seus governantes.

A participação popular foi elevada com comparecimento perto dos 50% revertendo anos de queda acentuada.

Aqui no Reino Unido a mensagem do eleitor não poderia ter sido mais clara: o partido do Brexit, fundado recentemente pelo líder da campanha de separação europeia, foi o grande vencedor.

Os conservadores ficaram apenas no quinto lugar, atrás até do partido verde, o que pressiona bastante o próximo líder do partido a ser escolhido até o mês que vem.

Com esse resultado fica ainda mais evidente que o Reino Unido deve sair mesmo da União Europeia sem acordo e dentro dos próximos meses.

Do outro lado do Canal da Mancha, Marine Le Pen foi a vencedora pressionando ainda mais o presidente Emmanuel Macron.

A diferença entre os dois partidos foi pequena e o movimento nacionalista de Le Pen, na verdade, teve menos votos que em 2014.

De qualquer forma é uma vitória simbólica importante para o movimento dela.

Assim como na Itália, onde o partido do vice-primeiro-ministro Matteo Salvini também foi o grande vencedor mostrando que o populismo dominou a política local.

Na Espanha, a esquerda consolidou seu poder com a vitória nacional, como já era esperada, mas não conseguiu a chamada joia da coroa – o conservador PP conseguiu vencer em Madrid, tanto no governo regional, quanto na prefeitura, e evitou um constrangimento eleitoral maior.

Por fim, na Alemana o partido da chanceler Angela Merkel foi o grande vencedor, os socialistas foram superados pelos verdes, e os extremistas do AfD parecem contidos por enquanto.

Pra resumir a história, Thiago e ouvintes, a política europeia está fragmentada e polarizada. O nacionalismo de extrema-direita não avançou como muitos esperavam, mas ainda está lá – com uma presença significativa no jogo político.

E dentro deste contexto Matteo Salvini, da Itália, está fortalecido e mais popular do que nunca.