Empresários fazem campanha contra reforma tributária, diz Maia

  • Por Jovem Pan
  • 18/02/2020 06h15 - Atualizado em 18/02/2020 09h22
J.Batista/Câmara dos DeputadosRodrigo Maia: 'Precisamos de todos os brasileiros"

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, criticou parte dos empresários que, segundo ele, está fazendo “campanha contra” a Reforma Tributária. Ao chegar à Câmara nesta segunda-feira, o deputado disse que, com a reforma, no primeiro momento, haverá a “organização de distorções”.

Maia afirmou que o Brasil tem um sistema tributário injusto, que beneficia poucos e precisa ser reformado. “E não é justo que, ao invés de a gente estar em uma grande mesa de debate da sociedade, inclusive com empresários, parte dos empresários estarem fazendo campanha contra. Não foi assim que eles trabalharam na Previdência, mas a Previdência eles não pagam a conta. A gente precisa de todos os brasileiros, quando a gente quer reorganizar o Estado. Todos os brasileiros pagam a conta”

O presidente da Câmara também garantiu que a reforma não vai acarretar aumento da carga tributária. Segundo Maia, mesmo sem apresentar uma proposta, o governo está colaborando. ”Agora quando o governo encaminhar, nos próximos dias, a sua reforma de IVA (Imposto sobre o Valor Agregado) nacional, vai nos ajudar a juntar as duas peças e fazer a aprovação de um IVA único, que é o que defendemos”.

Maia disse que a proposta de reforma administrativa deve ser apresentada pela equipe Econômica nessa semana. Sobre a possibilidade do governo adiar a realização de concursos públicos até a aprovação da proposta, Maia disse que uma coisa não tem a ver com a outra. “Não sei é necessário. Governo vai mandar uma reforma para os novos servidores, não sei onde tem conflito em melhorar a qualidade do serviço público, acho que valoriza inclusive os próprios servidores que já estão na administração pública.”

O presidente da Câmara também afirmou que pretende votar no Plenário, “logo depois do Carnaval”, a PEC que torna permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

* Com informações de Afonso Marangoni