Estudo mostra que quase 50% das pessoas não usam cinto de segurança no banco traseiro

  • Por Jovem Pan
  • 06/09/2017 08h11 - Atualizado em 06/09/2017 11h52
Oswaldo Corneti/Fotos PúblicasSobre o cinto de segurança, o dispositivo é ignorado por 1% dos condutores na frente e por 48% dos passageiros no banco traseiro

Pesquisa revela imprudência de motoristas e passageiros em rodovias. O levantamento da Arteris, realizado com o monitoramento de 82 mil veículos na Rodovia Régis Bittencourt, com sensores fixos em pontos estratégicos e pesquisadores verificou o comportamento dos condutores.

O estudo indicou números assombrosos. Quase 50% das pessoas verificadas não utilizam cinto de segurança no banco traseiro.

O coordenador da pesquisa e gerente de operações da concessionária, Elvis Gramzotti, elencou as principais infrações: “uso de celular ao vloante, distância de segurança entre os veículos, excesso de velocidade, utilização de seta e utilização de cinto de segurança”.

O índice de motoristas flagrados utilizando o celular ao dirigir é de 1,19%. O especialista enfatizou os riscos: “pode levar à fatalidade. Qualquer momento que você não está prestando atenção à sua frente, você dirigindo às cegas. Uma pessoa digitando no celular pode atravessar quatro campos de futebol sem ver nada pela frente”.

15,9% dos usuários não mantém a distância mínima de segurança entre veículos. O desrespeito aos limites de velocidade é alto, atinge 29,6%, no Brasil.

Outro dado mostra que 57,5% dos condutores observados foram flagrados mudando de faixa sem sinalizar.

Sobre o cinto de segurança, o dispositivo é ignorado por 1% dos condutores na frente e por 48% dos passageiros no banco traseiro.

*Informações do repórter Daniel Lian