Maioria dos países da Europa e da América do Sul quer saída de Nicolás Maduro

As nações que mantêm o apoio a Maduro, como Cuba, Rússia e Bolívia, acusam a oposição de dar um golpe

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2019 06h39
Reprodução/ABC NewsOficialmente, a União Europeia fez um apelo contra a violência nos protestos na Venezuela e pediu a convocação de novas eleições

Os países que já reconhecem o opositor Juan Guaidó como presidente da Venezuela, como Brasil e Estados Unidos, comemoraram a possibilidade de militares venezuelanos se aliarem à oposição. Já as nações que mantêm o apoio a Nicolás Maduro, como Cuba, Rússia e Bolívia, acusam a oposição de dar um golpe.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, expressou apoio ao povo venezuelano em busca da liberdade e da democracia, depois da rebelião de um grupo de militares.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, espera que militares venezuelanos apoiem a transição democrática no país e fiquem do lado de Guaidó para tirar Nicolás Maduro do poder.

Através do Twitter, o presidente do Parlamento Europeu, o italiano Antonio Tajani, se referiu a esta terça-feira (30) como um dia histórico para o retorno à democracia e à liberdade na Venezuela.

O líder opositor, Leopoldo Lopez, deixou a prisão domiciliar, em que estava desde 2015 e agradeceu os militares dissidentes pelo apoio.

Oficialmente, a União Europeia fez um apelo contra a violência nos protestos na Venezuela e pediu a convocação de novas eleições. A Espanha, um dos primeiros países a apoiar Juan Guaidó como presidente interino, também exigiu novas eleições e disse que não vai apoiar um golpe de Estado na Venezuela.

*Informações do repórter Victor Moraes