Meghan e Harry tocaram em temas sensíveis para os britânicos, que cobram respostas da realeza

Saúde mental e racismo são questões fortes na Inglaterra; rainha estaria estudando posicionamento

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 09/03/2021 10h42
Reprodução/InstagramDuquesa também revelou o desejo de não estar mais viva por conta da pressão e das humilhações sofridas no Palácio

A entrevista do casal Meghan e Harry para a apresentadora Oprah Winfrey repercute de forma bombástica na Inglaterra. Até a imprensa progressista e liberal, como The Guardian e Financial Times, que evitam falar da monarquia, mergulharam no assunto. Não se fala de outra coisa e a pressão no momento é para que a rainha responda às acusações feitas contra a família real. Baixarias e fofocas à parte, Meghan e Harry tocaram em dois temas que são muito caros para a sociedade britânica: racismo e saúde mental.

Na segunda-feira, 8, Oprah Winfrey ressaltou que nem a rainha nem o marido dela comentaram sobre o tom de pele do filho do príncipe Harry. Mas, segundo o casal, alguém fez comentários bastante impróprios sobre o tema — e a sociedade britânica questiona quem foi. O duque e a duquesa de Sussex também sugeriram que este teria sido o motivo para Archie não receber o título de príncipe. Pelas regras britânicos somente filhos e netos da monarca recebem o título automaticamente.

A rainha concedeu a honraria para os filhos do príncipe William sob a justificativa de que ele é o segundo na linha sucessória, mas quando Charles se tornar rei os filhos de Harry automaticamente também se tornariam príncipe e princesa — se as regras não mudarem. Meghan disse na entrevista que a família já falava em alterações nesse esquema. A duquesa também revelou o desejo de não estar mais viva por conta da pressão e das humilhações sofridas no Palácio. Saúde mental é uma questão forte pela Inglaterra — Harry e William, inclusive, participam de campanhas de combate à depressão entre os britânicos.

Mesmo assim, o Palácio de Buckingham ainda não se pronunciou sobre nenhum desses temas. Alguns jornais dizem que a rainha está estudando uma resposta — até porque será difícil ignorar a repercussão negativa contra os Windsor. O primeiro-ministro conservador disse que não irá se pronunciar. Integrantes do partido dele saíram em defesa da rainha. A oposição trabalhista, no entanto, ressalta que racismo e saúde mental são temas maiores que a monarquia e as acusações não podem ser varridas para debaixo do tapete. No ano da pandemia e do Brexit, a sociedade britânica agora tem mais um novo problema para se ocupar.