Por agenda de Bolsonaro em Israel, agronegócio brasileiro teme impactos com países árabes

  • Por Jovem Pan
  • 29/03/2019 08h04
Pixabay“Sempre um ponto de atenção. Temos que prestar atenção para a política não prejudicar o negócio”, disse o presidente da ABIMAQ

O agronegócio brasileiro teme a agenda do presidente Jair Bolsonaro em Israel. Após acordos anunciados nos Estados Unidos, que já não agradaram o setor, a expectativa da mudança da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém preocupa o presidente da Associação de Máquinas e Equipamentos Agrícolas (ABIMAQ), Pedro Estevão Bastos.

“Sempre um ponto de atenção. Temos que prestar atenção para a política não prejudicar o negócio”, disse.

Após o anúncio de Bolsonaro, a Arábia Saudita descredenciou frigoríficos brasileiros e cancelou a compra de milhões de toneladas de carnes bovina e de aves.

O vice-presidente da Associação Brasileira do Agronegócio, Francisco Maturro, evitou polêmica ao confiar na promessa da ministra da Agricultura, Tereza Cristina: “essa movimentação diplomática vai se acertar via diplomacia”.

A comunidade árabe considera Jerusalém como a cidade de dois povos; sagrada aos judeus, mas também para os muçulmanos.

Em 20174, a balança comercial do Brasil com os 22 países da Liga Árabe teve superávit de US$ 7 bilhões, e com Israel, o Brasil registrou déficit de US$ 800 milhões.

*Informações do repórter Marcelo Mattos