Presos fabricam caixões e bispo dá bênção de helicóptero em epicentro da covid-19 no Equador

  • Por Jovem Pan
  • 10/04/2020 06h15 - Atualizado em 10/04/2020 08h36
EFEAté agora, o Equador já registrou 4.965 infectados e 272 mortes por covid-19

Presos da cidade de Ambato, ao sul de Quito, irão produzir caixões para serem enviados a Guayaquil. A maior cidade do Equador vive um dos piores surtos de coronavírus da América Latina e concentra 68% dos casos da doença no país.

A confecção dos itens de carpintaria das peças será feita manualmente. A matéria-prima usada são madeiras que foram apreendidas em operações de combate ao desmatamento.

Um dos detentos diz que, como presidiário, ele e os amigos estão “construindo e ajudando neste infortúnio pelo qual o país e o mundo está passando, principalmente as pessoas mais necessitadas”.

Até agora, nenhum caso de coronavírus foi confirmado nos presídios do país. A expectativa é de que os caixões comecem a ser entregues na próxima semana.

A situação no Equador tem ganhado grandes proporções e o pais tem tido dificuldade para enterrar os mortos. Nos últimos dias, imagens de corpos nas ruas envoltos em panos têm sido comuns em Guayaquil.

Com a alta demanda, várias pessoas passaram a ser enterradas em caixas de papelão.

Até agora, o Equador já registrou 4.965 infectados e 272 mortes por covid-19. Nesta quinta-feira (9), o bispo auxiliar de Guayaquil, Giovanni Battista, abençoou a população da cidade de uma forma diferente. Como as procissões estão proibidas, o sacerdote deu a bênção sobrevoando em um helicóptero.

Na aeronave, o bispo vestia luvas e máscara e carregava consigo uma custódia dourada. Toda a ação foi transmitida pelo Facebook.

Em um país em que 80% dos cidadãos são católicos, o gesto tem um significado importante para os fiéis.

Para tentar amenizar o sentimento de medo e tensão que tem tomado praticamente todo o mundo durante essa pandemia, o bispo pediu que todos tenham fé e confiem na bondade divina.

*Com informações da repórter Camila Yunes