Tribunal de Ética da OAB alerta Moro sobre possíveis sanções por prática ilegal de advocacia

No domingo, 30, a Alvarez & Marsal anunciou a contratação do ex-ministro para os setores de compliance, prevenção e desenvolvimento de soluções para disputas complexas

  • Por Jovem Pan
  • 03/12/2020 06h44
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoO ex-ministro informou que não trabalharia como advogado e ajudaria a empresa com "políticas de integridade e anticorrupção"

O Tribunal de Ética da seção paulista da OAB notificou o ex-ministro Sergio Moro sobre eventuais sanções que ele poderá sofrer caso exerça a atividade de advogado para a consultoria Alvarez & Marsal, onde o ex-juiz atua como sócio-diretor. O texto, assinado pelo presidente do órgão, Carlos Kauffmann, alerta que Moro não pode praticar atividade privativa da advocacia para clientes da empresa, sob pena de adoção de medidas administrativas e judiciais pertinentes. O parecer reforça ainda que essas firmas são expressamente proibidas de “prestar serviços jurídicos aos clientes, incluindo assessoria e consultoria jurídica, nem mesmo por advogados internos, independentemente do cargo ou função exercidos”.

No domingo, 30, a Alvarez & Marsal anunciou a contratação de Moro para os setores de compliance, prevenção e desenvolvimento de soluções para disputas complexas. A consultoria norte-americana auxilia na recuperação judicial da Odebrecht e presta serviços a outros grupos alvos da Operação Lava Jato, sob a responsabilidade do então juiz federal Sergio Moro. O ex-ministro informou que não trabalharia como advogado e ajudaria a empresa com “políticas de integridade e anticorrupção”. Moro ainda assegurou que não vai atuar em casos de potencial conflito de interesses.

*Com informações da repórter Camila Yunes