Augusto Nunes: ‘Lula se porta como se não fosse o primeiro presidente que virou ex-presidiário’

Ministro do STF negou acesso de Sérgio Cabral a documentos autorizados a Lula sobre a Operação Spoofing: ‘Petista é tratado como uma pessoa incomum’, afirma comentarista

  • Por Jovem Pan
  • 05/02/2021 20h42
Banco de Imagens/ Estadão ConteúdoNa avaliação de Augusto, o PT "não tem chance alguma" de chegar ao segundo turno

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta sexta-feira, 5, pedido do ex-governador do estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, de acesso às mensagens obtidas pela Operação Spoofing relacionadas a ele. No mês de janeiro, no entanto, o mesmo ministro determinou que o juízo da 10ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal assegurasse ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acesso total ao compartilhamento das mensagens apuradas pela operação, que investiga o vazamento de mensagens entre o ex-juiz Sergio Moro e procuradores da Lava Jato. Para o comentarista Augusto Nunes, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, não há “compromisso nem com a vergonha e nem com a coerência” na decisão de Lewandowski. Além disso, ele afirma que Lula é tratado como uma “pessoa incomum”, sobretudo pelos ministros que indicou ao Supremo.

“Ele pode tudo, requisita material e, embora não saiba ler, os advogados traduzem para ele. Ele se porta como se fosse apenas um ex-presidente e não como se fosse o primeiro ex-presidente que virou ex-presidiário e que só saiu da prisão por causa de pessoas como Lewandowski. Por que não estender ao Cabral a complacência com a qual o Lula foi tratado? Solta todo mundo. Se é pra soltar bandido, não há porque discriminar os marginais em geral”, disse Augusto. O comentarista falou, também, sobre a declaração do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, de que recebeu orientação de Lula para “rodar o País” e se apresentar como potencial candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) à presidência em 2022, caso o ex-presidente não restitua seus direitos políticos. “Ele me chamou para uma conversa no último sábado e disse que não temos mais tempo para esperar. Me pediu para colocar o bloco na rua e eu aceitei”, afirmou Haddad em entrevista ao portal Brasil 247.

Na avaliação de Augusto, o PT “não tem chance alguma” de chegar ao segundo turno. “O Haddad como candidato, qual é a chance deles? Zero. Até porque vão [os partidos de esquerda] rachar de novo, o Ciro [Gomes] não abre mão, o Lula botou na cabeça que o PT tem que ser hegemônico em qualquer chapa e vai levar o PT a mais uma derrota, seja qual for o adversário”, declarou o comentarista. Segundo ele, Jair Bolsonaro “conserva um núcleo duro” que garante a sua ida ao segundo turno, diferente do PT. “O PT está aí querendo a primazia já não justificada pelos votos e rachando todo mundo”, disse.

Assista ao programa na íntegra: