‘EUA saberão conter a arrogância dos chineses’, diz Augusto Nunes sobre gestão de Biden

O comentarista da Jovem Pan também afirmou que país viverá ‘tensões’ no decorrer da gestão do democrata, mas descartou possibilidade de guerra civil

  • Por Jovem Pan
  • 20/01/2021 19h38 - Atualizado em 20/01/2021 20h11
Youtube/Os Pingos nos IsPosse de Joe Biden foi tema do programa desta quarta-feira, 20

Horas antes do democrata Joe Biden tomar posse como presidente dos Estados Unidos, Donald Trump fez seu último discurso como chefe de Estado. Depois de agradecer ao povo norte-americano, ao vice-presidente Mike Pence, ao Congresso Nacional e a todos os funcionários do governo em Washington D.C., o republicano finalizou: “Nós voltaremos, de um jeito ou de outro”. Para o comentarista Augusto Nunes, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, apesar da idade, a “votação espetacular” conquistada nas eleições de 2020 podem credenciar Donald Trump a disputar a presidência do país daqui a quatro anos. Sobre a gestão Biden, Nunes diz que “os Estados Unidos saberão conter a arrogância dos chineses”.

“Os Estados Unidos são a única potência, a única super potência militar do planeta. Mesmo quanto à economia, os americanos são muito superiores. Se eles apertarem alguns botões, eles arrasam o mundo. É o que a China sonha em fazer, pelos movimentos do governo chinês nos últimos tempos. Por isso, os Estados Unidos estão condenados em interferir no destino de outros países. Os EUA, no século passado, salvaram duas vezes a democracia. A história americana é muito bonita. Cometem erros, mas tem um saldo magnificamente positivo. Eu gosto dessas atitudes dos Estados Unidos”, disse Nunes. Apesar da polarização política que divide o país, o comentarista da Jovem Pan não acredita que os Estados Unidos enfrentarão uma guerra civil no decorrer da gestão de Joe Biden. “Tensões os Estados Unidos vão viver, como já viveram muitas. Mas eles já viveram a guerra civil mais sangrenta da história. Eles aprendem com a história. Tudo isto somado, os Estados Unidos vão manter parcerias históricas, incluindo aí a parceria com o Brasil, mas também estão condenados a segurar o apetite insaciável da China, a arrogância da China. Os Estados Unidos saberão conter a arrogância dos chineses”, acrescentou.

A edição desta quarta-feira, 20, também tratou do indulto presidencial concedido por Donald Trump a Steve Bannon antes de deixar oficialmente a Casa Branca. Para José Maria Trindade, a atitude do republicano é “questionável”. “Essa história de perdão é sempre muito criticada. Eu lembro das críticas aos perdões assinados pelos ex-presidentes Lula, Dilma, Temer. Bolsonaro disse que não usaria o poder de sua caneta para assinar perdões, mas também assinou. [Não vejo problema no indulto] Desde que seja um perdão sem ser a uma pessoa e de maneira abstrata, levando em consideração uma questão humanitária. Mas, como Trump usou esse poder de caneta para perdoar aliados e amigos, acho, no mínimo, questionável”, avaliou Trindade.