Polícia prende líder da Gaviões que agrediu palmeirenses e estava em Oruro: “um marco”

  • Por Jovem Pan
  • 18/05/2016 12h33
Torcedores corintianos presos em Oruro

Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas da Polícia Civíl do Estado de São Paulo (Decade) prendeu, na manhã desta quarta-feira, um dos maiores líderes da Gaviões da Fiel. Tadeu de Macedo Andrade, que se envolveu recentemente em briga com palmeirenses e ficou seis meses recluso em Oruro, na Bolívia, após a morte do garoto Kevin Espada, foi finalmente detido após intensa busca da polícia. 

A informação foi confirmada com exclusividade pelo delgado Osvaldo Nico Gonçalves, do Decade, ao repórter Tiago Muniz, da Rádio Jovem Pan. Nico considerou a prisão de Tadeu um divisor de águas no combate à violência das torcidas organizadas de São Paulo. O líder da Gaviões da Fiel, afinal, tinha um vasto histórico em brigas de uniformizadas. 

“É um marco para a polícia conseguir prender o Tadeu. Ele estava foragido, mas a polícia não para. E hoje, através do detecta, conseguimos mandá-lo para a cadeia”, comemorou o delegado. “Nós estávamos à procura dele há quase duas semanas. Pedimos as placas do carro pelo detecta e, hoje, conseguimos colocá-lo na cadeia. É lá onde ele vai ficar durante um bom tempo”, complementou. 

A prisão de Tadeu é emblemática. Ele, afinal, representa uma liderança historica da Gaviões da Fiel, torcida organizada que constantemente se envolve em confrontos com outras uniformizadas. Para se ter noção, Tadeu era um dos 12 corintianos que ficaram seis meses presos em Oruro, em 2013, pela morte do boliviano Kevin Espada.

Ele também participou do espancamento de quase 30 corintianos a três torcedores palmeirenses perto do Metrô Clínicas, em abril. Na ocasião, ele foi detido junto a outros 26 corintianos, mas acabou liberado depois de assinar termo circunstanciado.

Tadeu de Macedo Andrade já foi vice-presidente, diretor da Gaviões e cotado para a presidência da organizada. Não à toa, a sua prisão foi intensamente celebrada pelo Decade“Ele estava sempre envolvido em brigas de torcidas. A sua prisão é um marco. A polícia está de parabéns”, decretou o delegado Nico.