Cunha é alvo de operação que investiga propina envolvendo combustível de aviação

Ex-presidente da Câmara teria recebido vantagens indevidas de companhias aéreas em troca da redução do ICMS

  • Por Jovem Pan
  • 03/02/2021 09h56 - Atualizado em 03/02/2021 14h05
André Dusek/Estadão ConteúdoEx-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha cumpre prisão domiciliar

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha é alvo da operação Antonov, que visa investigar esquema de propina em torno da redução do ICMS para combustíveis de aviação na capital federal. A operação é fruto da colaboração premiada do operador Lucio Bolonha Funaro perante o Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta manhã de quarta-feira, 3, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Distrito Federal cumpre 16 mandatos de busca e apreensão no Distrito Federal e em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Goiás, incluindo a casa do ex-deputado na Barra da Tijuca.

Segundo a denúncia de Funaro, companhias aéreas pagaram vantagens indevidas a Cunha e outros políticos, entre eles o  na época vice- governador do DF Nelson Tadeu Filippelli, em troca da redução da alíquota do IMCS da aviação civil de 25% para 12%, entre os anos de 2012 e 2014. Cunha está em prisão domiciliar devido a pandemia do coronavírus. O ex-presidente da Câmara está preso desde outubro de 2016 no âmbito da Operação Lava Jato pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.