Facebook vai manter perfis bolsonaristas no ar fora do Brasil apesar de decisão de Moraes

Rede social vai recorrer de determinação do ministro do STF e, enquanto isso, perfis seguirão ativos internacionalmente

  • Por Jovem Pan
  • 31/07/2020 13h10
EFE/Mauritz AntinFacebook vai recorrer de decisão de Moraes

O Facebook decidiu manter no ar as contas bolsonaristas na plataforma, de acordo com apuração da Jovem Pan, contrariando a determinação do ministro Alexandre de Moraes, que mandou bloquear internacionalmente os perfis de alguns apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. A empresa recorrerá da decisão do STF e, enquanto isso, os perfis seguirão ativos. “Respeitamos as leis dos países em que atuamos. Estamos recorrendo ao STF contra a decisão de bloqueio global de contas, considerando que a lei brasileira reconhece limites à sua jurisdição e a legitimidade de outras jurisdições”, afirmou a assessoria do Facebook, em nota. O Twitter, por sua vez, optou por caminho diferente e, embora também vá acionar a Justiça para recorrer, removeu as contas de sua plataforma.

Perfis de políticos, influenciadores e empresários estão envolvidos na decisão, entre eles o de Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, o presidente do PTB, Roberto Jefferson, entre outros. Todos eles estão sob investigação no âmbito das fake news.

Na última sexta-feira, 24, Moraes determinou a suspensão das contas  no Brasil. No entanto, os bolsonaristas, no Twitter, mudaram a localização de seus perfis para locais fora do país e seguiram com as publicações na rede social. Os nomes atingidos pela ordem tinham sido alvos de busca e apreensão em maio. Na época, o ministro havia determinado o bloqueio das redes sociais de 16 investigados no inquérito das fake news, que apura a disseminação de informações falsas e ameaças a ministros. A assessoria do Twitter confirmou à Jovem Pan que fez o bloqueio das contas para cumprir a judicial proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal , mas considera a decisão “desproporcional sob a ótica do regime de liberdade de expressão vigente no Brasil” e vai recorrer. A empresa ainda disse que não cabe a ela “defender a legalidade do conteúdo postado ou a conduta das pessoas impactadas pela referida ordem.”

No sábado, após a primeira suspensão da conta, Roberto Jefferson chegou a usar o perfil da filha, a ex-deputada federal Cristiane Brasil, para se pronunciar. “Alexandre, não temo sua tirania!”, escreveu o presidente do PTB. Ele não foi o único que encontrou outros meios para falar. Luciano Hang usou seu perfil do Instagram para dizer que “jamais atentou contra o Supremo Tribunal Federal”. O empresário também fez um vídeo para falar sobre o inquérito e sobre o uso de contas em outras redes sociais. Além de Roberto Jefferson, Luciano Hang e Sara Giromini, o blogueiro Allan dos Santos e Bernardo Küster também foram atingidos.