Skaf sobe três pontos e Alckmin cai, mas continua levando no 1º turno

  • Por Jovem Pan
  • 02/09/2014 18h39
OSASCO, SP, 25.08.2014: ELEIÇÕES-SP - Os candidatos a governador do Estado de São Paulo, Paulo Skaf (PMDB) e Geraldo Alckmin (PSDB), durante o debate promovido, na noite desta segunda-feira (25), em parceria entre SBT, Folha, UOL e Jovem Pan, nos estúdios do SBT em Osasco (SP). (Foto: Maurício Rummens/Fotoarena/Folhapress)Candidatos ao governo do Estado participam de debate

Nova pesquisa Ibope de intenções de voto na disputa ao governo do estado de São Paulo divulgada nesta terça aponta queda de 3% de Geraldo Alckmin (PSDB) e crescimento de Paulo Skaf (PMDB) e Alexandre Padilha (PT). Contudo, Alckmin continua vencendo no primeiro turno, com 47% da vontade dos eleitores. Skaf marca 23% e Padilha, 7%.

Gilberto Natalini (PV), Laércio Benko (PHS) e Walter Ciglioni (PRTB) tiveram 1% cada e os demais candidatos não alcançaram o ponto percentual. 8% dizem votar nulo e 11% ainda não decidiram. Por isso, Alckmin continua levando no primeiro turno – já que ainda possui mais da metade dos votos válidos, que excluem brancos e nulos.

Na pesquisa de antes, feita no final de semana anterior (23 a 25 de agosto), Alckmin somava 50% (caiu 3 pontos), Skaf tinha 20% (subiu 3%) e Padilha marcava 5% (cresceu 2%).

O governador Alckmin, que busca a reeleição, também foi avaliado nos questionamentos do Ibope. 42% vêem sua administração à frente do Estado como “boa ou ótima”, 35% classificam-na como regular e 20% consideram a gestão do tucano “ruim ou péssima”.

A margem de erro é de 2% para mais ou menos e a pesquisa possui 95% de nível de confiança (95 de 100 vezes que fosse feito o mesmo levantamento, os resultados estariam dentro da margem de erro).

1806 eleitores foram entrevistados neste último fim de semana e segunda, de 30 de agosto a 1º de setembro.

O levantamento foi encomendado pelo jornal O Estado de S. Paulo e a Rede Globo e registrado no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) sob o número de SP-00021/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo número BR-00492/2014.