Dólar volta aos R$ 5 com cenário político no radar; Ibovespa recua

Mercado analisa o depoimento de Luiz Paulo Dominguetti Pereira à CPI da Covid-19 e as repercussões em Brasília

  • Por Jovem Pan
  • 01/07/2021 13h01 - Atualizado em 01/07/2021 17h58
Antara Foto/Hafidz Mubarak/via ReutersDólar aprofunda queda e fecha o dia com desvalorização de 1,85%

Os principais indicadores do mercado financeiro brasileiro voltam a operar no campo negativo nesta quinta-feira 1º, pressionados pelo risco político em Brasília, a despeito do clima mais otimista no cenário internacional. Por volta das 12h55, o dólar registrava alta de 1,21%, aos R$ 5,033, próximo da máxima de R$ 5,049. Na mínima, a cotação não baixou de R$ 4,948. A divisa norte-americana encerrou a véspera com alta de 0,63%, a R$ 4,973, mas acumulou queda de 4,8% em junho. O Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, operava com queda de 1%, aos 125.400 pontos. O pregão desta quarta-feira, 30, fechou com retração de 0,41%, aos 126.801 pontos.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 ouve Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que se apresenta como representante da Davati Medical Supply e denunciou um suposto pedido de propina de US$ 1 por dose da vacina da AstraZeneca para fechar contrato com o Ministério da Saúde. Ele seria ouvido inicialmente na sexta-feira, 2, mas a oitiva foi antecipada após a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), conceder ao empresário Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, que deporia nesta quinta, o direito de permanecer em silêncio. Ainda na pauta doméstica, o Ministério da Economia divulgou que o mercado de trabalho em maio encerrou com o saldo de 280 mil vagas formais criadas a mais do que fechadas. Este foi o quinto mês seguido de diferença positiva na fomentação de empregos com carteira assinada. No acumulado do ano, o saldo é positivo em mais de 1,2 milhão de postos de trabalho.

No cenário internacional, investidores deixam um pouco de lado os temores com a disseminação da variante Delta do novo coronavírus enquanto analisam resultados positivos na retomada econômica nos Estados Unidos e na Europa. O Departamento do Trabalho norte-americano divulgou hoje que 364 mil pedidos de seguro-desemprego foram solicitados na semana passada, abaixo das previsões do mercado e o menor número desde o início da pandemia da Covid-19, em março de 2020. Já do outro lado do Atlântico, dados do PMI mostram a recuperação das atividades econômicas no Reino Unido e na Zona do Euro.