Chuvas fortes destroem rodovias e deixam desabrigados no Canadá

Precipitações atingiram a Columbia Britânica, região que registrou onda de calor, incêndios florestais e mortes durante o verão

  • Por Jovem Pan
  • 16/11/2021 13h55
Canadian Forces in US/Twitter/Reprodução de vídeo helicóptero resgatando pessoas na Columbia Britânica Maior parte das vítimas ilhadas foi socorrida de helicóptero

Chuvas fortes que atingiram a região da Columbia Britânica, no Canadá, causaram deslizamentos de terra que destruíram rodovias, isolaram completamente cidades e obrigaram as forças de segurança a evacuar mais de 7 mil pessoas nesta segunda-feira, 15. Ao todo, o mau tempo fez com que 252 milímetros de chuva fossem registrados em algumas regiões da província, assim como ventos de até 90 km/h. As precipitações equivalem ao previsto para todo o mês de novembro na região e os alertas de tempestade, neve e ventos fortes continuam ativos. “Meu pai ficou preso no próprio carro por 15 horas com as estradas totalmente levadas pelas enchentes. Ele está a salvo agora, mas me disse que pode levar de dois a três dias para chegar em casa. Estou rezando para que todos cheguem em casa com segurança”, narrou pelas redes sociais o estudante Sukhmeet Singh.

Por causa das chuvas, o oleoduto Trans Mountain foi desativado momentaneamente. O Ministério de Transportes do país norte-americano divulgou imagens da situação de algumas das rodovias e afirmou que os danos totais nos locais ainda são avaliados. O fluxo da água fez com que as estações de tratamento de esgoto da cidade de Merritt, a 80 quilômetros de Vancouver, parasse de funcionar. Por causa disso, todos os moradores da região ficaram sem água corrente e precisaram ser retirados de casa. A maior parte das pessoas evacuadas foi socorrida por helicópteros. Até o momento, nenhuma morte foi confirmada e o primeiro-ministro do país, Justin Trudeau, pediu que a população tivesse cautela. As chuvas fortes atingem a mesma região que sofreu com a pior onda de calor da história do país durante o verão. Os termômetros chegaram próximos aos 50ºC no vilarejo de Lytton, que foi praticamente destruído por um incêndio florestal e mais de 200 pessoas morreram por problemas relacionados à insolação e ao calor extremo.