‘Acabei com a Lava Jato porque não tem mais corrupção no governo’, diz Bolsonaro

Presidente reafirmou, ainda, a importância do ministro Paulo Guedes para a condução da política econômica: ‘A palavra final da economia não é de uma pessoa, é de duas’

  • Por Carolina Fortes
  • 07/10/2020 20h10 - Atualizado em 07/10/2020 20h12
Carolina Antunes/PRBolsonaro participou do evento de lançamento do programa Voo Simples

No evento de lançamento do programa Voo Simples, para modernizar regras da aviação e melhorar ambiente de negócios do setor, nesta quarta-feira, 7, o presidente Jair Bolsonaro garantiu que não atua pelo fim da Operação Lava Jato, mas que ele “acabou” com a força-tarefa, pois “não existe mais corrupção no governo”. “É uma satisfação dizer para essa imprensa maravilhosa nossa que eu não quero acabar com a Lava Jato, eu acabei com a Lava Jato, porque não tem mais corrupção nesse governo. Sei que não é virtude, é obrigação”, disse Bolsonaro.

Em seguida, defendeu, sem citar nomes, a indicação do desembargador Kassio Nunes Marques para a vaga de Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). “Quando indico uma pessoa para qualquer lugar sei que é boa pela quantidade de críticas que recebe de grande parte da mídia”, afirmou o presidente. A escolha de Nunes tem desagradado aliados bolsonaristas, que acusam o desembargador de ser ligado ao Partidos dos Trabalhadores (PT) e contra a Operação Lava Jato.

Na cerimônia, Bolsonaro reafirmou, ainda, a importância do ministro da Economia, Paulo Guedes, para a condução da política econômica. “A palavra final da economia não é de uma pessoa, é de duas, Guedes e eu. Eu não tomo decisões sem ligar pra ele”, disse. O presidente usou como exemplo também a resposta ao candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, que ameaçou o Brasil com sanções econômicas por causa do desmatamento e das queimadas em suas florestas. “Quando Biden falou que ia juntar US$ 20 bilhões pra mim senão ia levantar barreiras eu fiz minha nota, mandei para o Ernesto [Araújo], ele mexeu e publiquei a nota. Não sou autoritário, não sou dono da verdade, e quem trabalha são vocês [ministros], e tem trabalhado muito bem”, disse.