Manteiga ou margarina: qual é mais saudável?

As duas opções estão muito presentes na mesa do brasileiro; saiba qual delas tem o consumo mais indicado

  • Por Lívia Zanolini
  • 26/01/2021 15h08 - Atualizado em 26/01/2021 16h54
Pixabay/rodeopix Segundo a Associação Brasileira de Nutrologia, de 30% a 40% do valor energético que uma pessoa precisa, por dia, está nos alimentos que contêm as chamadas gorduras boas, que são aquelas essenciais para o funcionamento do organismo

A manteiga é um alimento de origem animal, que tem como ingrediente principal o leite. Já a base da margarina é o óleo vegetal. Mas, afinal de contas, qual dessa opções é a mais indicada? Para fazer a escolha mais adequada, é preciso, antes, conhecer cada uma delas. Segundo a Associação Brasileira de Nutrologia, de 30% a 40% do valor energético que uma pessoa precisa, por dia, está nos alimentos que contêm as chamadas gorduras boas, que são aquelas essenciais para o funcionamento do organismo. Essas gorduras “do bem” se apresentam de duas formas: saturadas ou insaturadas. As insaturadas estão em alimentos como o azeite de oliva, abacate, óleos de peixes e castanhas. E as saturadas são aquelas presentes em todos os produtos de origem animal, como é o caso da manteiga, que, se consumida de forma equilibrada, é uma opção saudável. Mas existe um outro tipo de gordura que é a vilã da alimentação: a trans. E é aí que entra a margarina. Sabe por que ela faz mal à saúde? A margarina passa por um processo de industrialização chamado de hidrogenação. Trata-se de uma tecnologia que consiste em elevar a temperatura do óleo vegetal, em torno de 400 graus, e injetar moléculas de hidrogênio. É isso que faz com que o óleo, que é líquido, se solidifique e se transforme em gordura vegetal hidrogenada, que é a trans.

Segundo o diretor da Associação Brasileira de Nutrologia, Paulo Henkin, a trans é o pior tipo de gordura para saúde humana. “Muitas vezes aparece nos rótulos que o produto é zero trans, mas nem sempre isso é verdade. Isto porque a legislação permite que se diga zero trans quando, na realidade, há 0,2 gramas. Essa gordura deve ser banida do consumo humano. Aumenta em três vezes o risco de infarto de um indivíduo, piora o perfil lipídico, aumenta o colesterol ruim e baixa o colesterol bom. Então, evite a gordura trans para proteger seu coração”. Além da margarina, as bolachas recheadas, o sorvete e os salgadinhos de pacote são exemplos de alimentos que carregam gordura trans. No fim de 2019, a Anvisa decidiu que, até 2023, a indústria alimentícia terá de banir esse tipo de gordura dos alimentos. O processo será gradativo e a previsão é que comece este ano. Tá Explicado?

Gostaria de sugerir algum tema para o programa? É simples. Encaminhe a sugestão para o e-mail online@jovempan.com.br e escreva Tá Explicado no assunto. Participe!