Você sabia que, no Brasil, discriminação por orientação sexual é crime?

O país continua sendo o que mais mata travestis e transexuais no mundo; o que chama a atenção para a urgência de políticas públicas

  • Por Lívia Zanolini
  • 02/11/2020 22h16 - Atualizado em 02/11/2020 22h26
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilPor decisão do Supremo Tribunal Federal, em junho de 2019, a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passou a ser punida com base na Lei de Racismo, com penas que variam de um a cinco anos de prisão

O Supremo Tribunal Federal decidiu pela criminalização da homofobia em junho do ano passado. Desde então, a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passou a ser punida com base na Lei de Racismo. As penas variam de um a cinco anos de prisão. Essa regra vale até que o Congresso aprove uma lei específica sobre o tema. Segundo a presidente da Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero da OAB, Raquel Araújo, a discriminação é uma questão muito mais ampla do que a violência física. “Antigamente era muito comum você ver um casal homoafetivo talvez de mãos dadas, trocando carícias, e o dono do estabelecimento, o dono do bar, pedia para a pessoa se retirar. Isso não é mais possível, configura crime de LGBTIfobia. Você não pode impedir o acesso a um cargo em uma empresa pública, nem na administração pública. Também não pode impedir esse acesso a esse cargo ou função dentro de uma empresa privada, simplesmente pelo fato de a pessoa ser LGBTI. O que também se aplica para alunos de qualquer escola, seja ela pública ou privada”, explica.

Apesar da decisão do Supremo, Araújo alerta para a necessidade da aprovação pelo Congresso de uma legislação específica. A falta de uma regra mais clara dificulta até o registro de ocorrências nas delegacias. O que compromete a punição dos agressores. Embora os índices de violência têm caído nos últimos anos, ainda preocupam. No ano passado, a cada 26 horas, uma pessoa morreu, no Brasil, vítima de homofobia. Foram 329 mortes ao longo de 2019. Um outro levantamento, que leva em conta apenas travestis e transexuais, também mostra que o número de assassinatos vêm diminuindo de 2017 para cá. E um dado alarmante! Apesar dessa queda, o Brasil continua sendo o país que mais mata travestis e transexuais no mundo. O que chama a atenção para a urgência de políticas públicas. Desde 2010, os senadores analisaram pelo menos 18 propostas que abordavam sobre liberdade de orientação sexual. Destas, oito ainda seguem em tramitação. Tá explicado?

Gostaria de sugerir algum tema para o programa? É simples. Encaminhe a sugestão para o e-mail online@jovempan.com.br e escreva Tá Explicado no assunto. Participe!