Brasil ultrapassa as 542 mil mortes por Covid-19; 948 nas últimas 24 horas

O Sudeste continua sendo a região mais afetada; só o Estado de São Paulo concentra 3.939.632 casos e 134.803 óbitos em decorrência da doença

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2021 20h49 - Atualizado em 18/07/2021 20h50
DEIVIDI CORREA/ESTADÃO CONTEÚDOApós quatro meses e meio acima do patamar, o Estado de São Paulo registrou menos de 15 mil internações pela Covid-19; o número de pessoas hospitalizadas chegou a ultrapassar 31 mil no pico da segunda onda da pandemia, no final de março

Neste domingo, 18, o Brasil registra 19.376.574 casos e 542.214 mortes em decorrência da Covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde atualizados às 18h20. Desses, 34.126 casos e 948 óbitos foram lançados nas últimas 24 horas. Do total de notificações no país, 18.023.512 pacientes pacientes já se recuperaram e 810.848 seguem em acompanhamento. O Sudeste continua sendo a região com mais contaminações e mortes registradas pela doença, com 7.376.427 e 253.072 respectivamente. Só o Estado de São Paulo concentra 3.939.632 casos e 134.803 óbitos. Em seguida, está Minas Gerais, com 1.903.127 notificações da doença e 48.975 mortes, e Rio de Janeiro com 999.906 casos e 57.578 óbitos. Depois do Sudeste, as regiões mais afetadas são Nordeste (4.561.371 casos e 110.276 mortes), Sul (3.707.830 casos e 83.953 mortes), Centro-Oeste (1.970.435 casos e 50.474 mortes) e, por fim, Norte (1.760.511 casos e 44.439 óbitos).

Após quatro meses e meio acima do patamar, o Estado de São Paulo baixou da marca de 15 mil internados pela Covid-19. Neste domingo,18, foram registradas 14.364 internações, somando 7.062 em enfermaria e 7.302 em leitos de Terapia Intensiva. “Indicadores de hospitalização próximos aos verificados neste final de semana, com menos de 15 mil internados, tinham sido registrados pela última vez em 25 de fevereiro, quando havia 14.809 internados, com 8.042 em enfermaria e 6.767 em UTI”, diz a nota do governo. O número de pessoas hospitalizadas chegou a ultrapassar 31 mil no pico da segunda onda da pandemia, no final de março. Segundo o governo, o recuo nas internações é fruto do avanço da vacinação e da adoção de estratégias de prevenção e enfrentamento do coronavírus. Desde a última quinta-feira, 15, a ocupação dos leitos de UTI também tem caído diariamente. Neste domingo, a ocupação é de 62,5% no Estado e de 58,7% na Região Metropolitana.