Ministério da Saúde prevê distribuir 30 milhões de vacinas contra a Covid-19 em março

A pasta informou que, a partir da quantidade exata de doses recebidas, irá organizar a divisão de forma proporcional e igualitária aos estados e Distrito Federal

  • Por Jovem Pan
  • 06/03/2021 15h50 - Atualizado em 06/03/2021 19h02
Deivid Correa/Estadão Conteúdo - 10/02/2021Aeronave com insumos para produção da CoronaVac desembarca no Aeroporto de Guarulhos

O Ministério da Saúde comunicou neste sábado, 6, que iniciará, a partir da semana que vem, a distribuição de doses da vacina contra a Covid-19. Para o mês de março, a pasta estima entregar 30 milhões de doses, oriundos de acordos com o Instituto Butantan, AstraZeneca/Oxford (Fiocruz) e consórcio Covax Facility. De acordo com a nota, as previsões de entrega são enviadas à pasta pelos fornecedores dos imunizantes e estão sujeitas a alterações, confirme a disponibilidade dos laboratórios e a real quantidade de doses entregues, que pode variar conforme o ritmo de produção dos insumos. Do montante, 23,3 milhões de doses (22,7 milhões + 600 mil doses residuais de fevereiro) são provenientes do Instituto Butantan, enviadas ao Ministério em remessas semanais. Já outros 3,8 milhões da vacina contra o coronavírus são da parceria com a AstraZeneca/Oxford, previstas para a segunda quinzena do mês. Por fim, são esperadas mais 2,9 milhões de doses do mesmo imunizante, adquiridos via consórcio Covax Facility.

A incorporação da tecnologia da produção da matéria-prima (IFA) irá aumentar ainda mais a entrega dos imunizantes. O Insumo Farmacêutico Ativo é o composto principal das vacinas. A substância confere a atividade farmacológica à vacina ou a qualquer outro medicamento. No caso da CoronaVac, é o próprio vírus inativado. Já na vacina de Oxford, é um adenovírus modificado geneticamente para carregar com uma sequência genética do Sars-CoV-2. O Ministério da Saúde, assim, informa que, a partir da quantidade exata de doses recebidas, irá organizar a divisão de forma proporcional e igualitária aos estados e Distrito Federal. Depois, as doses serão enviadas aos estados, responsáveis pela distribuição dos imunizantes a todos os municípios brasileiros, que aplicarão as vacinas em suas 38 mil salas de vacinação. Confira abaixo o cronograma** previsto da pasta para os próximos meses:

Vacina AstraZeneca/Oxford

Janeiro: 2 milhões importadas da Índia (entregues)
Fevereiro: 2 milhões importadas da Índia (entregues)
Março: 3,8 milhões (produção nacional com IFA importado)
Abril: 2 milhões (importadas da Índia) + 30 milhões (produção nacional com IFA importado)
Maio: 2 milhões (importadas da Índia) + 25 milhões (produção nacional com IFA importado)
Junho: 2 milhões (importadas da Índia) + 25 milhões (produção nacional com IFA importado)
Julho: 2 milhões (importadas da Índia) + 16,6 milhões (produção nacional com IFA importado)

Vacina Coronavac/Sinovac

Janeiro: 8,7 milhões, sendo 6 milhões importados da China e 2,7 milhões de produção nacional com IFA importado (entregues)
Fevereiro: 4,2 milhões de produção nacional com IFA importado (entregues)
Março: 23,3 milhões (22,7 milhões previstos para março + 600 mil residual de fevereiro)
Abril: 15,7 milhões (produção nacional com IFA importado)
Maio: 6 milhões (produção nacional com IFA importado)
Junho: 6 milhões (produção nacional com IFA importado)
Julho: 13,5 milhões (produção nacional com IFA importado)

Covax Facility

Março: 2,9 milhões (vacina importada da AstraZeneca/Oxford – Coreia do Sul)
Até maio: 6,1 milhões (vacina importada da AstraZeneca/Oxford – Coreia do Sul)

Vacina Covaxin/Barat Biotech/IND

Total: 20 milhões de doses (importadas da Índia) no primeiro semestre de 2021

**sujeito a alterações