Explosão de carro-bomba deixa ao menos 3 feridos na Colômbia

Ataque aconteceu perto de um posto policial na cidade de Padilla e, segundo o prefeito, nenhum agente foi atingido

  • Por Jovem Pan
  • 06/02/2022 16h03
EFE/ Ernesto Guzmán Jr Explosão de carro-bomba na Colômbia Explosão de carro-bomba na Colômbia deixou ao menos três feridos

A explosão de um carro-bomba neste domingo, 6, deixou pelo menos três pessoas feridas nos arredores de um posto policial da cidade de Padilla, na Colômbia, conforme disse o prefeito do município, Cristóbal Morales, à Agência Efe. De acordo com o chefe do Executivo local, um veículo explodiu a cerca de 100 metros da unidade policial. Nenhum agente foi atingido, ainda segundo o prefeito, que disse não ter sido identificado o alvo exato da ação terrorista. “As autoridades nos informam que foi colocado um explosivo em um veículo, o qual explodiu perto da estação de polícia de Padilla. Felizmente, não há mortos, apenas nos relatam três pessoas feridas, nenhuma em estado grave”, detalhou Morales.

Foi iniciada investigação para que sejam identificados os autores do ataque, conforme garantiu o prefeito. “Não sabemos quem são os que estão fazendo isso, mas a mais afetada é a população, os civis, as pessoas que não têm nada a ver com situações de violência”, disse Morales. A onda causada pela explosão destruiu vidraças e janelas de casas e prédios próximos ao local da ação, o que “naturalmente, provocou medo nas pessoas”, conforme relatou o prefeito de Padilla. O ministro da Defesa da Colômbia, Diego Molano, usou as redes sociais para anunciar que foram enviados efetivos militares e policiais para a região, visando “avaliar a situação de ordem pública”.

Além disso, indicou que serão adotadas medidas para proteger a população e que serão realizadas “ações para capturar os terroristas responsáveis”. Padilla está situada no departamento de Valle del Cauca, que há anos convive com a violência originada por disputas entre diferentes grupos armados, dissidentes das Farc, da guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) e cartéis mexicanos, que lutam pelo controle do território para o tráfico de drogas.

*Com EFE