Será que já é seguro voltar a procurar o pronto-socorro?

O Hospital BP, que é uma das unidades da Beneficência Portuguesa de São Paulo, tem adotado protocolos ainda mais rígidos de segurança sanitária durante a pandemia de Covid-19

  • Por Conteúdo Patrocinado
  • 19/10/2020 10h00 - Atualizado em 19/10/2020 14h03
Hospital BP/DivulgaçãoAntes mesmo de acessar a recepção do hospital, pacientes, médicos, colaboradores e fornecedores passam por uma pré-triagem, que tem como objetivo separar o fluxo de circulação nas instalações

O medo de contrair a Covid-19 fez com que muitos deixassem de buscar atendimento médico até em casos de urgência e emergência. As mortes por problemas cardiovasculares, em casa, aumentaram 32% nos primeiros meses de pandemia no Brasil. Parte desse aumento está relacionada à demora na busca por atendimento. Só em abril, houve redução de 70% de procedimentos de emergência realizados durante o infarto. E não é só o ataque cardíaco e a dor no peito que, quando negligenciados, podem trazer graves consequências para os pacientes. AVC, enxaqueca, cálculo renal, traumas físicos, dor abdominal aguda e convulsões são alguns dos casos que também precisam de atendimento urgente. Mas que, na pandemia, muitos acabaram deixando para depois.

Porém, se quadro é urgente e você ainda não buscou assistência médica, é importante não esperar mais. Já é seguro voltar a procurar o pronto-socorro! O que não pode é colocar a saúde em risco. Veja o caso do Hospital BP, que é uma das unidades da Beneficência Portuguesa de São Paulo. A instituição tem adotado protocolos ainda mais rígidos de segurança sanitária. Antes mesmo de acessar a recepção, todos, incluindo pacientes, médicos, colaboradores e fornecedores passam por uma pré-triagem, que inclui aferição de temperatura, entrega de máscara e distribuição de álcool em gel. A pré-triagem tem como objetivo separar o fluxo de circulação nas instalações.

Pacientes com qualquer suspeita de Covid-19 ou de doenças respiratórias são encaminhados para áreas totalmente separadas no pronto-socorro e seguem protocolos específicos de atendimento para que não haja risco de contaminação.  Além disso, o pronto-socorro tem fluxos diferenciados para adultos e crianças e, nas salas de espera, o espaço foi remodelado e permitiu o distanciamento maior entre as pessoas. Outros protocolos que já faziam parte da rotina da BP foram reforçados, como os processos de higienização e o controle rígido dos equipamentos e do material de segurança. Ou seja, o pronto-socorro do Hospital BP está pronto para atender os pacientes com toda a segurança e qualidade possíveis. O que não é seguro é deixar a saúde para depois. Tá Explicado?