Terremotos: o que são, por que acontecem e qual o risco de ocorrer no Brasil

Onze anos depois do tremor de terra que matou cerca de 300 mil pessoas no Haiti, abalos de alta magnitude voltaram a castigar o país neste ano; EUA, México e Chile são outros exemplos de nações do continente americano onde o fenômeno é recorrente

  • Por Lívia Zanolini
  • 27/08/2021 15h13 - Atualizado em 27/08/2021 15h39
EFE/ Ralph Tedy - destaqeO governo haitiano calcula que mais de 2.100 pessoas morreram no terremoto de magnitude 7,2 que devastou o país em 14 de agosto deste ano

Os terremotos, também chamados de tremores de terra ou abalos sísmicos, são fenômenos naturais resultantes de processos geológicos que ocorrem, tanto na superfície, como no interior da Terra. Os tremores causados por eventos externos, chamados de atectônicos, são mais raros e podem ser desencadeados, por exemplo, pelo impacto do desabamento de grandes camadas de montanhas. Já os terremotos provocados por eventos tectônicos, ou seja, processos que ocorrem no interior da Terra, são mais comuns e podem estar relacionados a falhas geológicas e, principalmente, à movimentação das placas tectônicas, que são os grandes blocos de rochas que compõem a crosta terrestre e sustentam continentes e oceanos. Esse processo, impulsionado pelas altas temperaturas no interior da Terra, promove grandes transformações no relevo do planeta, ao longo dos anos, como a formação dos continentes, de vulcões, vales e montanhas.

Mas não só. Quando placas próximas se movimentam em sentido contrário, o choque entre elas acaba pressionando as rochas, que, com o tempo, podem se romper no interior da crosta. Dependendo da intensidade da ruptura, as vibrações são sentidas na superfície – que são os terremotos. É por isso que países localizados no encontro entre placas tectônicas, como Japão, Indonésia, Filipinas e toda a costa oeste das Américas, são mais vulneráveis a atividades sísmicas de grande intensidade. O maior tremor registrado no mundo, até hoje, ocorreu no Chile, em 1960, e alcançou 9,5 graus na escala Richter – sistema usado para medir a magnitude de um terremoto, ou seja, a força que ele exerce. Como o Brasil está situado no centro da Placa Sul-Americana, a situação do país é de certa estabilidade em relação à atividade tectônica. O que não significa que os terremotos não aconteçam!

Segundo especialistas, o fenômeno em território brasileiro geralmente é provocado por falhas geológicas. Sem contar os tremores em países vizinhos que, às vezes, acabam sendo sentidos aqui. Dados da Rede Sismológica Brasileira apontam que, entre janeiro de 2019 e julho deste ano, foram registradas 620 ocorrências no país. A grande maioria não chegou a 3,5 graus de magnitude, ou seja, dificilmente seriam percebidas. No período, apenas três registraram mais de 5 graus, como o tremor sentido em Roraima e no Amazonas, em janeiro deste ano, que teve origem na Guiana. O maior terremoto da história com epicentro no Brasil aconteceu em 1955, no Mato Grosso, e atingiu 6,2 graus na escala Richter. Como a região não era muito povoada na época, não houve vítimas. Tá Explicado?

Gostaria de sugerir algum tema para o programa? É simples. Encaminhe a sugestão para o e-mail online@jovempan.com.br e escreva Tá Explicado no assunto. Participe!